Archive for agosto \11\UTC 2006|Monthly archive page

Notas

[originalmente postado em geek, nerd, nanico.net]

ota: é bom eu agradecer ao meu amigo Bouças por alguns links que pintaram aqui. Ele sabe quais! )

Nota: Lembrar de tomar notas pra não ter que ficar fazendo um post sobre notas.

Nota: me lembrem de criar o Nerd Esperança, uma campanha com fins lucrativos para ajudar aos nerds não-abonados conseguirem suas bugigangas e nerdisses.

Nota: ontem no Jô foi uma ex-puta falar sobre o livro que ela escreveu ao longo de 3 anos e publicou agora. Contando com ela, são duas ex-putas que já publicaram livros e foram entrevistadas pelo Jô.

Nota: ao final do programa ela disse que uma outra amiga de profissão também iria lançar um livro no mesmo dia que ela. Agora são três.

Nota: três ex-putas publicaram livros. Duas entrevistadas pelo Jô. Me sinto na obrigação de publicar um livro.

Nota: esqueci a outra nota sobre esse assunto…

Nota: tomar notas pra não esquecer quais notas eu iria comentar.

É isso!
Até!

Anúncios

[originalmente postado em geeknerdnanico.net]  

Um dos últimos quadrinhos que comprei foi o Bob & Harvey que se trata de uma coletânea de histórias escritas por Harvey Pekar e desenhadas pelo Rober Crumb. Perfeito! O livro tem prefácio, Larte comentando sobre o Harvey Pekar e tudo o que tem direito – no bom sentido, sem ironias. Nos comentários do Larte fica claro que surgiram muitos imitadores de Pekar após o trabalho dele. Não sei dizer se isso é verdade ou exagero, mas é algo constante n-artistas imitarem um ‘novo expoente’ de sua área quando a obra deste está em destaque.
Acontece que é muito comum hoje falar sem rodeios que ‘tal artista imita não sei quem’, ‘isso aí é plagio de fulano’ e por aí vai. Mas será mesmo?

Como exemplo vou pegar eu mesmo: já faz um tempo estive pensando em começar a escrever quadrinhos. Não sabia qual gênero seguir, pensava em histórias de horror, mistério, policiais, draminhas jovens, mas sem me entuziasmar muito com nenhum desses gêneros, ou pelo menos sem conseguir produzir muito a respeito desses gêneros. Daí que conheci a obra de Crumb nos idos de 2003 e já comecei a ter idéias de fazer algo no estilo, só que não conseguiria fazer nada muito diferente do que o Crumb já fez. Aí que me veio a idéia de escrever histórias em quadrinhos como crônicas, sobre coisas que aconteciam comigo, porém, com nomes e lugares trocados – e alguma dramaticidade aumentada. Por todavia, não cheguei a escrever nada do tipo na época nem depois. Era só uma idéia que acabou se perdendo (ou melhor, adormecendo) com o tempo.

Não me lembro em que ano assisti ao Anti-Herói Americano, mas foi lá que soube melhor sobre esse tal Harvey Pekar. O filme é uma ‘cine-biografia’ da vida dele e mostra como surgiu a revista American Splendor. E Pekar escreve quadrinhos justamente sobre isso: cotidiano banal e chato da vida dele. Sem super-heróis, sem licões de vida, sem dramas românticos. Obviamente, aquela minha idéia de um tempo atrás ressurgiu. Mas novamente não a coloquei em prática.

Ontem, lendo ao livro citado no primeiro parágrafo decidi por isso em prática! E tudo bem que eu já tinha outros projetos em pseudo-andamento com dois colegas, mas infelizmente a idéia deles não é mais o que eu quero escrever – lógico que continuarei ajudando o projeto da forma que for possível, mas não vou criar nada -, e por isso me veio a cabeça: seria eu um imitador de Pekar? A minha resposta? Não. ‘Mas como não, seu cara de pau!’. Simples: eu não sou contemporâneo de Pekar, logo, não estaria aproveitando o sucesso de um escritor que inovou os quadrinhos para poder me dar bem. Sem contar que nem nascido eu era quando ele começou a publicar seus trabalhos. Haveria influência dele no meu? Óbvio! Afinal, foi a obra dele que me deu o impulso final para poder criar quadrinhos. Mas acho que não seria uma imitação… imitações não são genuínas. Seguir um gênero ou um estilo não é imitar. Vale lembrar que estou me referindo a obras criadas 15, 20 anos depois da ‘original’. Obras criadas por artistas que eram meros bebês quando estes que viriam a ser tornar seus ídolos estavam no auge ou chegando a este. Por tanto, seria correto julgar esses artitas de meros imitadores e plagiadores?

Abraços!

Finalmente acordado antes das 12:00

Bom, ando sem idéias legais de post – mas vamos lá!
No post passado, comecei a listar sites [b]de[/b] HQ interessantes e pretendia fazer uma resenhazinha de cada um – só que desisit das resenhas. Além da preguiça constante, resenhas sobre sites de HQ são estranhas, especialmente quando você não sabe como classificá-las e não muito o que falar sobre elas (ou pelo menos é o que você acha). Sem contar que nesse post aí de baixo já estão quase todas as HQ’s digitais que conheço. hehe…

Sobre as HQ’s que falei abaixo, além do non-sense Bob, The Angry Flower, eu acho que não comentei sobre nenhum dos sites, né? Pois bem! Vamos lá: o The Order of The Stick é uma ‘página de tiras’ bem periódicas que mostra a aventura de um [ironico] grupo desteminado [/ironico] em um mundo fantástico – bem no estilo dos RPG’s de fantasia medieval. Hilário! Várias sátiras e piadinhas internas de quem convive ou conhece a cultura RPGística de uma maneira geral. Sem contar as referências a cultura nerd-pop de uma maneira geral.

Já o Penny-Arcade é a selebração do mundo nerd-geek! Referências ao mundo moderno de uma maneira geral aparecem de vez em quando, porém, o foco são aquelas pequenas coisas que só tem graça pra quem conhece um mínimo de video-game e RPGs. E sim! Se você conhecer nem que seja um pouco vai se divertir muito com as piadas mais sem graça e divertidas de todos os tempos – desde a invenção da internet. De fato, as referências ao mundo dos jogos eletrônicos engloba TODA A COMUNIDADE , não restringindo-se a paidas sobre os jogos e os gamers, como ocorre com ‘seriado’ [1] Pure Pwnage, o que torna as piadas mais divertidas e incisivas. E o mais interessante é que o Penny-Arcade acabou criando uma legião tão grande de fãs que acbou surgindo uma propria comunidade a ponto de ser possível que tenha uma [2] convenção… medonho! 😯

No post passado faltou listar o [3] Disel | Sweeties – em resumo: piadinhas com indies, geeks e ‘moderninhos’. Comento mais sobre elas numa próxima oportunidade.

É isso! Um grande abraço a ninguém!

[ouvindo] Tool – Sober [/ouvindo]

*******************

todos os links abrem em novas janelas (pra quem usa Firefox é uma beleeeeeza! :rolleyes:)

[1] http://www.purepwnage.com

[2] http://www.pennyarcadeexpo.com/

[3] http://www.dieselsweeties.com/

hq’ s online

Olá!

Tenho procurado algumas HQ’s online legais pra postar aqui, ou que pelo menos tenho alguma coisa online. Tirando os óbvios como Malvados, eu vou listar os mais divertidos e que gosto mais – é, não sou paga-pau de Malvados não.

Dentre vários, separei três: Boby, the Angry Flower[2], The Order Of The Stick[3] e o Penny Arcade[4]. Sobre o Penny Arcade e o Bob, the Angry Flower, eu tenho duas histórias a serem comentadas aqui, mas ficam pra próxima – tô com preguiça agora. :mrgreen:

O primeiro é sobre uma flor revoltada com a vida com trantornos psicóticos – algumas tiradinhas bem legais, outras bem infelizes. O legal de BtAF é por ser um tipo de tiras non-sense sem medo de ser feliz.

(Eu realmente esotu com muita preguiça de postar… )

Acho que vou terminar esse post amanhã….

Mas fiquem com os links

******************

[1]: http://www.malvados.com.br/

[2] http://www.angryflower.com

[3] http://www.giantitp.com/cgi-bin/GiantITP/ootscript

[4] http://www.penny-arcade.com/