Archive for dezembro \16\UTC 2006|Monthly archive page

3,14159265

A verdade é que não tô tão inspirado assim para postar. Okay, eu poderia falar sobre o filme Pi que assisti alguns dias atrás, só que não ando tão empolgado para falar de filme, ainda mais filmes que 1/100 das pessoas que eu conheço iriam se interessar. Me pergunta porquê? Respondo: trata-se de um filme sobre um *matemático* que está pesquisando sobre um padrão dentro da bolsas de valores que podem leva-lo a anteceder as variações de mercado. Com o decorrer da história o personagem se envolve com pesquisadores judeus da Kabala e a busca destes pelo número que levaria ao verdadeiro nome de Deus. Além de um firma que quer a sua dedução da bolsa de valores para enriquecerem. Fora isso, há ainda suas crises com uma doença que não deixa muito claro no filme o que é. Sem contar que o filme é preto-e-branco e com pouquíssima ação. Entenderam agora o 1/100?

Tinha pensado em falar sobre outras trivialidades, como as HQ’s que pretendo comprar, o cubo mágico que comprei, sobre as aulas de alemão que começarei ano que vem e sobre o conto que escrevi e pretendo publicá-lo aqui num futuro próximo. Mas não quero falar sobre nenhum dessas coisas. Aliás, tô desconfiado de que não quero falar sobre coisa alguma. Se bem que mensionar sobre o fato de eu estar completamente viciado numa única música do provável melhor CD (Dig Me Out) da já extinta (:cry:) banda Sleater-Kinney pode ser válido. Principalmente se eu levar em conta que ao ouvir a primeira faixa que leva o nome do album eu simplesmente tenho uma vontade absurda de me tornar guitarrista. Eu nunca tive essa coisa de “quero ser guitarrista! guitarras for the win! irooooooon! metaaaaaaaaal”, muito pelo contrário – sempre odiei guitarras neste estilo, sem energia, somente técnica e com um tipo de som e melodia que me desagrada (veja, não estou dizendo que sejam ruins, estou dizendo que eu desgosto). Porém, o barulho e a energia da introdução com pouquícimos acordes (3, acho) são suficientes para que eu tenha vontade de empunhar uma guitarra. Não que a música perca força com após a introdução (mesmo porque a música segue exatamente a introdução, menos no refrão), mas é o impacto dela que me chama mais atenção. A música toda é muito boa, o vocal suplicante e aflitivo e a melodia poderosa encaixam-se perfeitamente com o que veio antes e não te deixam decepcionado, ao contrário, te fazem querer deixar no repeat e ignorar o resto do album – o que seria uma lástima.

No mais, é isso.

*********
capa do dig me out:

Photobucket - Video and Image Hosting

Anúncios

hmmmmmm

Bom, férias finalmente. Tempinho para escrever meus pequenos contos, ouvi música sem pressa, postar sem pressa, ver desenho animado sem pressa…

Prometo que hoje a noite faço post descente, gigante, aproveitando que fiquei um tempinho sem passar por aqui. Enquanto isso, fica aqui mais uma rula Cthulhiana, enviada por um amigo meu.

 http://www.macguff.fr/goomi/unspeakable/vault00-cast.html

até!

Um post rápido

Não ando com muita inspiração para postar, mas não posso deixar de comentar, novamente, sobre Billy & Mandy. Sim, é praticamente de lei eu comentar sobre esse desenho, mas entendam que sempre há alguma referência MUITO interessante a ser comentada. No último episódio? Tirando a reprise do episódio da fenix da caixa de cereal e o D20 pelúcia no carro do pai do Billy (já comentei sobre esse episódio. Procurem! :P), no primeiro pude perceber 3 nítidas referências: Ultraman/Ultra Seven, Kill Bill e Akira (siiiiiiiiiiiiiiiim! AKiiiiiiiiiiiiiiira! “Kaneeeeeeeeeeeeeeedaaaaaaaaaaaaaaaa! !!” “Tetsuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu”). 😈

Em dado momento do episódio, Grim (mal e porcamente chamado de Puro-Osso), leva Billy e seu amigo Theo (se não me engano o nome…) para a dimensão dos monstros gigantes reais. Lá, Billy é transformando em “Ultraman” por Grim para combater um mostro de 3 cabeças. Mandy, porém, não está na tal dimensão e se irrita ao descobrir que Grim a deixou para trás e vai atrás deles quando descobre por um bilhete deixado por Billy (que supostamente deveria contar que eles foram todos cortar o cabelo mas deixou claro que foram para a tal dimensão paralela). Ao chegar na tal dimensão, Mandy está trajando o clássico macacão amarelo da Noiva e pilota a moto de Kaneda. +_+

Perfeito, não?

Um grande abraço a todos!